Papas de Millet e Batido de Laranja


Feliz 2018!!

A todos que por cá passam um 2018 muito docinho, que seja um ano com muita saúde e alegria, aproveitem a vida ao máximo, sejam e façam os outros felizes e liguem o forno todas as vezes que conseguirem para fazer um bolinho...


Entrei o ano com uma constipação, certamente muitos de vós também, mas a minha já foi, e embora tenha alguns sinais dela a verdade é que não a quero ver nos próximos anos!!

Nestes dias passados em casa enchi-me de livros, organizei as estantes e coloquei os livros por tamanhos e autores na esperança que assim seja mais fácil de os encontrar, tirei os post-it a muitos e tenho vindo anotar num bloco as receitas que quero testar, assim é só abrir o bloco ver a página e o título e lá vou eu procurar.


Gosto de trocar livros sejam eles de receitas ou não, adoro ir às feiras de antiguidades e trazer comigo revistas antigas do Chef. Silva, e muitas vezes nem é pelas receitas doces que as trago, é sim pelos pratos salgados típicos portugueses, é dele a melhor receita de carne de porco à portuguesa que alguma vez comi, ou os peixinhos da horta que ficam tão fofos, verdadeiros tesouros.

Começo o ano com duas receitas numa só publicação.

Uma receita de umas papas maravilhosas criadas com o objectivo de encontrar alguns pequenos-almoços diferentes e que goste, é que há tempos experimentei fazer creme de cereais e a experiência correu tão mal que já ia com as expectativas tão em baixo em relação a esta receita, mas para minha alegria adorei.

Têm também um batido de laranja para os vossos lanches feitos em casa, tenho abusado dele nestes dias que passei em casa, é uma forma saudável de escoar as laranjas e tangerinas que existem com fartura nesta altura do ano.


Laranjas é o ingrediente escolhido para mais um desafio da querida Marta e eu não podia deixar de participar.

Podem dobrar a receita das papas e guardar no frigorífico e ir aquecendo com um pouco de bebida vegetal, podem ainda usar limão em vez da laranja e até mesmo variar a fruta que colocam para servir, se forem gulosos, quando servirem as papas juntem uma colher de sopa de compota, fica tão bom.


Papas de Millet
receita adaptada do o livro de cozinha da Marta de Marta Varatojo

  • 1 chávena de café de millet
  • 6 chávenas de café bem cheias de água
  • 1 maçã pequena em cubos
  • 1 colher de chá de mel
  • 1 pau de canela 
  • 2 estrelas de anis 
  • casca de uma laranja pequena 
  • cubos de laranja para servir
  • amêndoa para servir 

Lavar o millet em água fria.  

Numa tacho pequeno, juntar o millet, a água, a maçã, a canela, o anis e a casca de laranja, levar ao lume e deixar ferver. 

Cozinhar o millet durante 20 minutos em lume baixo, até absorver toda a água.   

Retirar a casca de laranja, a canela, o anis e juntar o mel, passar com a varinha mágica até obter uma papa cremosa.  

Distribuir por taças e dispor a laranja e a amêndoa por cima. 


Batido de Laranja 
receita retirada do livro Receitas com Paixão de Marcia Gonçalves

  • 1 laranja ou 2 tangerinas 
  • 1/2 banana madura 
  • 1 iogurte de soja 
  • 1/2 chávena de chá de água de coco 
  • 1/4 de colher de chá de açafrão-das-índias (curcuma) 
  • 1/4 de colher de chá de gengibre em pó
  • 1/4 de colher de chá de canela 

Colocar todos os ingredientes no liquidificador e triturar até obter um batido cremoso. 

Bom Apetite...

Beigli


Já estamos no Natal!

Não vou repetir a minha adoração por estes dias mágicos cheios de alegria e muitos sorrisos, por dias de aconchego que se pede que passem muito devagar, por dias cheios de açúcar e aromas que nos fazem sonhar, por cá cheira a canela e anis, cheira a limão e a laranja...


Venho cá para desejar a todos um Feliz Natal, que seja como tanto desejam, que não faltem momentos de alegria e muito amor, que sejam dias para recordar sempre com muito carinho.

Trago uma sugestão que gostava de ter partilhado algum tempo, mas não foi possível, uma sugestão  para o Sweet World, mas como nunca é tarde aqui está ela...

Feliz Natal!


Beigli 

Massa
receita retirada do livro How to Bake de Paul-Hollywood

  • 250 gramas de farinha T55
  • 50 gramas de manteiga sem sal amolecida
  • 135 ml deleite morno
  • 5 gramas de sal fino
  • 8 gramas de fermento de padeiro em pó
  • 1 ovo batido
  • 1 ovo batido para polvilhar
  • amêndoa laminada para polvilhar
  • compota de laranja ou pêssego para pincelar 

Recheio 
  • 300 gramas de sementes de papoila moídas
  • 1/2 litro de leite 
  • 100 gramas de açúcar 
  • 50 gramas de manteiga amolecida
  • 40 gramas de amido de milho (maizena) 
  • 1 gema de ovo 

Colocar a farinha numa taça grande, adicionar o sal e o fermento devendo os mesmos ficar separados.

Adicionar o leite, a manteiga e o ovo, misturar com ajuda das mãos até a massa despregar dos lados da taça.  

Colocar a massa numa bancada polvilhada com farinha e amassar durante 6 minutos, a massa está pronta quando não colar às mãos e à bancada, formar uma bola.  

Polvilhar uma tigela com farinha e colocar a massa dentro, tapar e deixar levedar cerca de 3 horas em local quente. 

Para o recheio, ferver as sementes de papoila com 175 ml de leite.

Misturar o amido de milho com o restante leite e juntar à mistura anterior mexendo sempre, adicionar a gema de ovo, o açúcar e a manteiga e voltar a mexer.  

Retirar do lume e deixar arrefecer. 

Depois da massa levedar voltar a colocar numa bancada enfarinhada e amassar cerca de um minuto para retirar o ar.  

Esticar a massa com ajuda de um rolo de cozinha e formar um rectângulo, espalhar o recheio ao meio e fazer umas incisões, na obliqua em ambos os lados, com 2 cm de distância entre si. 

Cruzar as tiras, da esquerda para a direita de forma a cobrir o recheio, deve começar na parte de cima. 

Forrar com papel vegetal untado um tabuleiro de forno e colocar sobre ele o pão. 

Pincelar o pão com o ovo batido e polvilhar com as amêndoas. 

Deixar repousar cerca de 45  minutos ou até que duplique de tamanho. 

Pré-aquecer o forno a 190ºC. 

Levar o pão a cozer ao forno durante 35 minutos.  

Retirar e ainda quente pincelar com a compota. 

Deixar arrefecer no tabuleiro, retirar e dispor num prato de serviço. 

Bom Apetite...

Whoopie Pies de Batata Doce


Quase no Natal, imaginam a alegria?!

Um mês, o tempo que falta para o dia mágico, por cá é sempre assim, dois dias mágicos, dias de afectos, sorrisos, gargalhadas, alegria, e no fim, quando tudo acaba e fico sozinha sinto-me nostálgica, feliz e com mais vontade ainda de agradecer por tudo isto e pelas pessoas que me deixaram escolher para fazer parte da minha vida.

Este ano ando em busca de um pinheiro maior, no ano anterior o membro mais novo ficou tão feliz quando as luzes foram ligadas mas desiludido com o tamanho da árvore, acho que já lhe passei esta paixão pelo Natal, delira com o Pai Natal (óbvio), com os enfeites, com as decorações, com as músicas e com os doces, tal como eu, com isto posso concluir que sou uma madrinha que faz tão bem o seu papel!


Quando a Marta revelou o ingrediente do mês para Novembro eu pensei logo em experimentar a receita das broas castelares, ingredientes todos em casa, receita marcada, mas no dia enquanto retirava o livro da estante o que estava ao lado caiu, pensei comigo que gostava tanto dele e nunca lhe dava a merecida atenção, e foi aí ao ver as receitas que descobri estes whoopie pies de batata doce, num minuto as broas castelares ficaram para uma próxima para darem lugar à receita que hoje vos trago.


Whoopie Pies de Batata Doce 
receita retirada do livro Honey and Jam de Hannah Queen

  • 2 batatas doces de tamanho médio 
  • 400 gramas de açúcar amarelo 
  • 385 gramas de farinha 
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • 1 colher de chá de bicarbonato de sódio
  • 1/2 colher de chá de sal 
  • 2 colheres de chá de canela 
  • 1 colher de chá de gengibre 
  • 1 colher de chá de noz-moscada 
  • 1 colher de chá de erva-doce 
  • 1 colher de chá de extracto de baunilha
  • 2 ovos grandes
  • 240 ml de óleo de girassol 

Recheio 
  • 200 gramas de queijo creme à temperatura ambiente 
  • 115 gramas de manteiga sem sal à temperatura ambiente 
  • 2 colheres de sopa de melaço 
  • 100 gramas de açúcar em pó peneirado

Pré-aquecer o forno a 175ºC.

Forrar dois tabuleiros de forno com papel vegetal, reservar.

Descascar as batatas doces e cortar em pedaços pequenos, levar a cozer num tacho cobertas com água. 

Escorrer bem as batatas e fazer um puré com ajuda da varinha-mágica, deixar arrefecer. 

Numa tigela misturar a farinha com o fermento, o sal, o bicarbonato de sódio e as especiarias, reservar. 

Numa tigela grande misturar o açúcar com o óleo, a baunilha e o puré da batata doce. 

Adicionar os ovos um de cada vez batendo bem entre cada adição, juntar a mistura da farinha e misturar tudo muito bem.

Com ajuda de uma colher de sopa verter colheradas de massa nos tabuleiros, deverá deixar um espaço entre cada de cerca de 3 cm e devem ser de tamanho igual.

Levar ao forno cerca de 15 minutos.

Retirar o tabuleiro e deixar arrefecer 10 minutos.

Com ajuda de uma espátula tirar os biscoitos e deixar arrefecer totalmente sobre uma rede de cozinha.

Recheio:

Numa tigela misturar a manteiga com o queijo-creme com ajuda da batedeira até obter um creme liso e os ingredientes estarem bem ligados.

Acrescentar o melaço e misturar muito bem, juntar o açúcar em pó e voltar a misturar.

Com ajuda de uma espátula ou faca barrar com o recheio metade dos biscoitos e unir as outras metades sem recheio, polvilhar com açúcar em pó.

Bom Apetite...

Bolo Basco/Gâteau Basque


França nunca teve na lista das minhas viagens de sonho...

Quando me perguntavam quais os locais que gostava de visitar, as minhas viagens de sonho, ouvia quase sempre os meus colegas a falarem em Paris, e eu sem hesitar apontava o Egipto como eleito, depois seguia-se a Grécia, Polónia e o Butão, e se houvesse espaço para mais um o Dubai seria o eleito.


Nunca entendi muito bem esta minha indiferença com um país que é verdadeiramente cheio de história, com tanto para ver e fazer, desconfio que haja um ar de superioridade para aqueles lados que não me agrada...contudo com o tempo a minha opinião foi mudando. 

Esta mudança aconteceu quando nasceu o sonho de ter uma pastelaria, dei por mim a imaginar como poderia ser e assim que pesquisava algo lá vinha a imagem de alguma pastelaria parisiense, aquelas montras são fascinantes, as louças, a decoração, tudo, não existe nada que não aprecie nestes espaços. 


Mas o culpado da mudança não é só o sonho da pastelaria, são os livros de culinária que com o tempo se foram acumulando e que mostraram que a melhor cozinha para mim é a francesa, depois da portuguesa claro está!

São tantas as sobremesas, bolos e bolinhos que adoro desse país, não vou indicar o meu preferido pois não existe (são todos), mas suspiro por um verdadeiro canelé, e agora que vamos para o Natal já sonho com a minha caixa de marrons glacés, e já agora uns macarons, só falta mesmo dizer...Vive La France!

E nisto dos eleitos também posso acrescentar este bolo que hoje vos trago, é uma junção de sabores e texturas deliciosas, um clássico francês que eu pensava ser espanhol!

Podem saber mais sobre a história deste bolo basco no blogue da Lia, e podem ainda fazer e participar no guloso desafio Sweet World tal como eu fiz.


Bolo Basco/Gâteau Basque 

Massa
receita retirada do livro Baking Chez Moi, Dorie Greenspan

  • 272 gramas de farinha 
  • 3/4 colher de fermento em pó
  • 1/2 colher de chá de sal fino 
  • 142 gramas de manteiga sem sal à temperatura ambiente 
  • 50 gramas de açúcar amarelo
  • 50 gramas de açúcar branco
  • 1 ovo grande à temperatura ambiente 

Barrar com manteiga e polvilhar com farinha uma forma de 20 cm de diâmetro com fundo amovível, reservar. 

Peneirar para uma tigela a farinha, o fermento e o sal e misturar com uma vara de arames, reservar. 

Numa tigela grande bater com ajuda da batedeira eléctrica a manteiga e os açúcares durante 3 minutos, adicionar o ovo e continuar a bater por mais 2 minutos.

Adicionar a mistura da farinha reservada e misturar muito bem até estar tudo bem incorporado e ter uma massa maleável. 

Retirar a massa da tigela e com as mãos formar uma bola, envolver em película aderente e levar ao congelador 30 minutos. 

Dividir a massa em dois sendo que um dos pedaços deve ser maior para forrar a base e as laterais da forma.  

Colocar a massa sobre uma folha de papel vegetal e ir esticando com o rolo da massa até obter o tamanho adequado da forma (bases e laterais), com ajuda do rolo da massa dispor a massa na forma e forrar, esta massa parte-se com facilidade, pelo que deve ser manuseada com calma.  

As laterais devem de ficar com o mesmo tamanho, para isso utilizar os dedos molhados em água. 

Com a restante massa e com ajuda do papel vegetal formar um círculo que vai depois cobrir o bolo.  

Reservar a forma forrada bem como o círculo da massa no frigorífico até voltar a utilizar.  


Recheio 
receita retirada do livro World's Best Cakes 

  • 60 gramas de açúcar
  • 250 ml de leite gordo
  • 3 gemas de ovo
  • 30 gramas de farinha peneirada 
  • 1 colher de sopa de amido de milho peneirado (Maizena) 
  • 1 vagem de baunilha 
  • 1/2 frasco de compota de cereja 
  • açúcar em pó para polvilhar 
  • 1 ovo batido para pincelar

Abrir ao meio a vagem de baunilha e retirar as sementes, colocar num tacho pequeno com o leite e levar ao lume até começar a ferver, retirar e deixar em infusão cerca de 3 minutos.

Numa tigela pequena misturar com uma vara de arames o açúcar com as gemas até obter uma mistura fofa, acrescentar as farinhas e voltar a misturar tudo muito bem, deitar o leite em fio sobre a mistura das gemas mexendo sempre.  

Levar ao lume mexendo sempre até o preparado engrossar sem deixar ferver.  

Retirar, cobrir com película aderente, e reservar até estar frio. 

Montagem 

Pré-aquecer o forno a 180ºC. 

Retirar a forma do frio e com uma espátula distribuir o creme do recheio sobre a massa, alisar bem e com cuidado espalhar o doce de cereja. 

Colocar o círculo de massa reservado sobre o bolo e unir bem os bordos, para facilitar molhar sempre os dedos em água. 

Pincelar o topo com o ovo batido e com ajuda de um garfo fazer um efeito xadrez.

Levar o bolo ao forno cerca de 45 minutos, deve ficar douradinho.  

Retirar e deixar arrefecer totalmente antes de desenformar. 

Polvilhar com açúcar em pó.

Bom Apetite...

Pãezinhos com Chocolate


E de repente é Novembro.

Não tarda mais um ano termina e com ele vem a época do ano que mais gosto, o Natal.

Numa ida ao centro comercial já vi as primeiras montras com flocos de neve e pinheirinhos repletos de estrelas e bolas, é estranho imaginar o frio e neve desse dia quando por cá ainda está calor, mas eu já me juntei a todas essas lojas e já ando a pensar nos doces que este ano vão fazer parte da nossa ceia.


Este ano, e pela primeira vez, marquei uma receita de broas castelares para compor a nossa mesa, nunca fui apreciadora deste doce até ter provado umas caseiras, rendi-me, tenho a certeza que vão ficar tão lindas ao lado das azevias e das clarinhas. 


Enquanto esses dias de azáfama não chegam e o Outono não decide impor-se, esta semana acendemos o fogão a lenha para fazer o assado de um galo caseiro, e foi nesse dia que tivemos estes pãezinhos gulosos para o lanche.

Já é a segunda vez que faço esta receita, a primeira, em vez das pepitas coloquei uvas-passas, e em substituição dos quadrados de chocolate recheei com creme de chocolate para barrar, mas se fizerem coloquem pepitas e creme de chocolate para barrar, vão ficar ainda mais gulosos, façam uma cevada bem quente e acompanhem o lanche com um ou dois destes pãezinhos e vão ver que são mais felizes...


Pãezinhos com Chocolate
receita retirada do livro The Baking Collection, The Australian Womens Weekly

  • 300 ml de leite morno 
  • 100 gramas de manteiga amolecida 
  • 1 ovo batido 
  • 55 gramas de açúcar amarelo
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 450 gramas de farinha T65 sem fermento
  • 1  colher de chá de canela 
  • 1/2 colher de chá de noz-moscada 
  • 1/2 colher de chá de gengibre em pó
  • 1/2 colher de chá de erva-doce
  • 2 colheres de chá de fermento de padeiro seco
  • pepitas de chocolate a gosto 
  • quadrados de chocolate de leite a gosto
  • farinha para polvilhar/ amassar 
  • 1 ovo batido para pincelar

Máquina de fazer pão:  

Colocar os ingredientes pela ordem indicada na cuba da máquina à excepção das pepitas e dos quadrados de chocolate, escolher o programa "massa", após terminar o ciclo retirar a massa da cuba e colocar a massa numa bancada enfarinhada, juntar as pepitas e amassar até estar tudo bem ligado.   

Forrar com papel vegetal dois tabuleiros grandes.  

Dividir a massa em 13 "bolas" de tamanho igual. 

Com ajuda de um rolo de cozinha abrir as "bolas" de massa e colocar os quadrados de chocolate (usei 4 em cada), voltar a fechar e dar o formato igual ao das fotos.   

Dispor os pãezinhos nos tabuleiros afastados entre si e deixar a massa descansar em lugar quente durante cerca de 20 minutos.  

Pré-aquecer o forno a 180ºC. 

Levar ao forno durante 15 a 20 minutos. 

Retirar os tabuleiros do forno e deixar arrefecer 5 minutos, após esse tempo com ajuda de uma espátula descolar os pãezinhos e colocar numa rede de cozinha, ou servir assim quentinhos.  

Método tradicional 

Numa tigela grande colocar os ingredientes secos à excepção dos chocolates e do fermento de padeiro, misturar bem todos os ingredientes.

Misturar o leite morno com o fermento de padeiro numa tigela pequena, misturar bem.

Deitar a mistura do fermento e a manteiga na mistura dos secos e amassar bem com ajuda de farinha, a massa está pronta quando deixar de se colocar à tigela e às mãos.  

Com as mãos esticar um pouco a massa e juntar as pepitas de chocolate, voltar amassar até que estejam bem incorporadas na massa.

Formar uma bola com a massa, tapar a tigela com um pano e deixar levedar em espaço quente durante 1 hora e 30 minutos.

Forrar com papel vegetal dois tabuleiros grandes.  

Após a massa estar levedada retirar da tigela e colocar sobre uma bancada enfarinhada.  

Dividir a massa em 13 "bolas" de tamanho igual. 

Com ajuda de um rolo de cozinha abrir as "bolas" de massa e colocar os quadrados de chocolate (usei 4 em cada), voltar a fechar e dar o formato igual ao das fotos.   

Dispor os pãezinhos nos tabuleiros afastados entre si e deixar a massa descansar em lugar quente durante cerca de 20 minutos.  

Pré-aquecer o forno a 180ºC. 

Levar ao forno durante 15 a 20 minutos. 

Retirar os tabuleiros do forno e deixar arrefecer 5 minutos, após esse tempo com ajuda de uma espátula descolar os pãezinhos e colocar numa rede de cozinha, ou servir assim quentinhos.  

Bom Apetite...

Mousse de Romã


Uma mousse em pleno Outono pode parecer estranho, e embora o calendário seja exacto em dizer-me a altura do ano em que estamos, eu sinto que estamos a terminar o Verão.  

Sinto falta da chuva, dos dias frios de manhã até à noite, tenho saudades de chegar a casa e encontrar o fogão a lenha aceso, abrir a porta do forno e meter lá as mãos!

Bem sei que quando a chuva chegar eu vou reclamar, mas a idade, a sabedoria dos mais velhos e os tristes acontecimentos que por cá existiram fazem com que cada vez mais aceite que tudo é  necessário e nos seus precisos momentos e a chuva, essa já devia de cá estar. 




Mas mesmo sem chuva há sinais que o Outono está por cá, e as romãs são um desses sinais.

Estas romãs que vêm nas fotos saíram da nossa árvore, foi tão simpática que nos presenteou com 7 maravilhosas romãs, a sorte é que apenas existe um apreciador desta fruta ao natural, eu!!

Gosto tanto destas pintas vermelhas envolvidas em iogurte, em sumo e claro está nesta mousse que foi muito bem aceite, mesmo para os não apreciadores.

Apenas fiquei desiludida com a cor, olhei para a receita do livro e esta era rosa e a minha branca, paciência, ficou super gulosa e sente-se o sabor destas minhas romãs azedas, no topo coloquei mais uns bagos mas podem optar por um chocolate branco ralado se eventualmente não forem apreciadores.


Mousse de Romã
receita retirada do livro Receitas perfeitas para ser mais feliz, do Lidl

  • 4 romãs
  • 1 lata de leite condensado
  • 3 iogurtes naturais gregos
  • 5 folhas de gelatina 
  • 2 pacotes de natas
  • bagos de romã

Descascar as romãs, retirar os bagos, colocar na liquidificadora e bater até que fiquem bem desfeitos. 

Passar os bagos por um coador de rede fina de forma a obter a maior quantidade de sumo, reservar.  

Bater as natas muito bem até ficarem espessas, reservar no frigorífico.

Colocar as folhas de gelatina a demolhar em água fria cerca de 5 minutos, após esse período escorrer as folhas e levar a derreter em banho maria. 

Numa tigela misturar o leite condensado, os iogurtes e o sumo obtido das romãs.  

Acrescentar à mistura anterior a gelatina derretida e misturar novamente. 

Com ajuda de uma espátula envolver delicadamente as natas.  

Distribuir o preparado pelas taças e levar ao frigorífico até solidificar.

Na hora de servir colocar os bagos de romã no topo da mousse.

Bom Apetite... 

Churros


Churros!!!

Tantas memórias boas que eles trazem.
Passeios por Madrid e Barcelona, uma busca incessante em Vigo por encontrar alguma cafetaria que os tivesse.

E depois existem as roulotes que nos meses de Verão enchem-nos de coisas boas; farturas com açúcar e canela, farturas com diversos recheios e os churros que sabem tão bem ao fim da noite...


Comi os melhores churros até hoje em Madrid, acompanhados por uma taça generosa de chocolate, rendi-me completamente e nem o calor que se fazia sentir foi entrave para que viesse uma segunda rodada!

Achei-os tão diferentes dos nossos, crocantes, sem qualquer sinal de gordura e depois o interior que parecia ter recheio mas era apenas a massa, são perfeitos para qualquer altura do dia, mesmo ao pequeno-almoço sabem bem, e não haverá nenhuma cafetaria que não os tenha logo de manhã, por isso sejam madrilenos e não se esqueçam de acompanhar a primeira refeição do dia com um ou mais churros.



Não é primeira vez que faço churros em casa, mas estes foram os meus favoritos, adorei o aroma da laranja que combina tão bem com o chocolate que os envolve.

Podem sempre acompanhar com uma taça de creme de chocolate ou de caramelo, fica ao vosso critério, ou então simplifiquem como eu...

E com eles participo em mais um Sweet World, um desafio que eu gosto muito, imenso vá.


Churros 
receita adaptada do livro Summer Berries & Autumn Fruits de Annie Rig

  • 100 gramas de manteiga cortada em pedaços pequenos
  • 175 gramas de farinha 
  • 1/4 colher de chá de fermento em pó
  • 3 ovos grandes 
  • 1 colher de chá de aroma de flor de laranjeira 
  • 200 ml de água 
  • raspa de uma laranja 
  • 1 pitada de sal 
  • açúcar para polvilhar 
  • chocolate de culinária ralado finamente 
  • óleo para fritar 

Peneirar a farinha juntamente com o fermento em pó, reservar. 

Num tacho pequeno colocar a água com a manteiga e o sal, levar ao lume até a manteiga estar derretida.  

Retirar o tacho do lume e juntar de uma só vez a farinha peneirada, mexer energicamente com uma colher de pau até a massa deslocar-se do tacho e formar uma bola. 

Deixar a massa arrefecer cerca de quatro minutos, acrescentar um ovo de cada vez misturando sempre muito bem entre cada adição tendo o cuidado de apenas juntar o seguinte ovo após a massa estar toda misturada. 

Adicionar o aroma e a raspa de laranja, voltar a misturar tudo muito bem. 

Aquecer um tacho grande com bastante óleo.

Colocar a massa dentro de um saco de pasteleiro com boquilha frisada. 

Deitar a massa directamente para o óleo quente e formar os churros utilizando uma tesoura para cortar a massa,  deixar fritar de ambos os lados. 

Retirar os churros e dispor sabre um prato com papel absorvente.  

Num prato fundo misturar o açúcar com o chocolate ralado e passar cada churro nesta mistura. 

Servir os churros. 

Bom apetite...